Banner
Base bibliográfica geral
Registos: 1 - 2 de um total de 2
O meu comentário Facebook Twitter LinkedIN
Título: Per una democrazia cosmopolitica. quis custodiet custodest?
Autor(es): Alessandro Serpe
Notas: Questo lavoro fu discusso nel corso delle IV Jornadas de Teoria do Direito, Filosofia do Direito e Filosofia Social dedicate ai temi dei Cosmopolitismo e delia Giustizia Globale, presso Ia Facoltà di Giurisprudenza delia Universidade Nova de Lisboa
Resumo: Nella sua prima parte, il presente articolo analizza, via liberta ed eguaglianza, e con esse, liberalismo ed egualitarismo, i modi con i quali bobbio dice di democrazia. a seguire, liberalismo e democrazia si scoprono essere in naturale prosecuzione e sono tenute asssieme in un progetto di democrazia cosmopolitica. la filosofia cosmopolitica non si può non rappre-sentare anch'essa che come filosofia delia libertà
Publicado em: In: Themis. - Coimbra : Almedina. - A. 15, n.º 26/27 (2014), p. 115-135
Assuntos: Liberdade | Liberalismo | Filosofia do direito | Cosmopolitismo
Veja também: Serpe, Alessandro
Localização: PP.216 (CEJ)

O meu comentário Facebook Twitter LinkedIN
Título: O despojamento do direito subjectivo
Autor(es): Alessandro Serpe ; trad. Maria Clara Calheiros
Resumo: A nova abordagem da filosofia do direito analítica esteve alinhada com a tradição do realismo escandinavo. A minha comunicação centra-se na busca de diferenças e similitudes através da descrição do contributo de autores escandinavos sobre direitos subjectivos e, mais explicitamente, a sua natureza semântica e ontológica. O debate sobre os direitos subjectivos despontado nos anos quarenta pode considerar-se ainda actual, no sentido em que as aproximações semânticas e pragmáticas envolvem, hoje em dia, problemáticas associadas à natureza dos direitos humanos. É reconhecido que no debate em torno dos direitos humanos parece predominante uma aproximação pragmática ao tema. As instâncias pragmáticas e realistas tornaram-se dominantes. A definição de um conceito teórico (tal como “direito humano” ou “direito subjectivo”) nada diz sobre o conteúdo e sobretudo as formas de protecção ou imunidades que devem ser consideradas fundamentais. Os escandinavos parecem evitar definições ontológico-substanciais
Publicado em: In: Scientia iuridica. - Braga : L.C.. - Tomo 68, n.º 349 (jan.-abr. 2019), p. 29-48
Assuntos: Direitos humanos | Direito subjectivo | Filosofia do direito | Realismo jurídico
Veja também: Serpe, Alessandro | Calheiros, Maria Clara
Localização: PP.4 (CEJ)