Banner
Base bibliográfica geral
Registos: 1 - 4 de um total de 4
O meu comentário Facebook Twitter LinkedIN
Título: Privacidade, intimidade e violência na imprensa : 2009
Autor(es): coord. José Rebelo
Publicação: Lisboa : Entidade Reguladora para a Comunicação Social, 2010
Descrição física: 318 p. ; 24 cm
ISBN/ISSN: ISBN 978-989-20-2150-8
Assuntos: Sociologia | Privacidade | Violência | Imprensa | Comunicação social | Meios de comunicação de massas | Portugal
CDU: 316
Veja também: Rebelo, José | Mendes, José Manuel | Brites, Rui | Entidade Reguladora para a Comunicação Social | Instituto Universitário de Lisboa. Centro de Investigação e Estudos de Sociologia
Localização: SOA.543 (CEJ) - 30000025956

O meu comentário Facebook Twitter LinkedIN
Título: Percepção dos riscos naturais e tecnológicos, confiança institucional e preparação para situações de emergência : o caso de Portugal continental
Autor(es): Alexandre Oliveira Tavares, José Manuel Mendes e Eduardo Basto
Notas: Bibliografia pág. 189-193
Resumo: O artigo avalia a percepção dos riscos em Portugal continental e o grau de confiança institucional, utilizando como recurso metodológico um inquérito nacional a uma amostra representativa dos cidadãos portugueses maiores de idade. A análise tem por base duas escalas: uma mais proximal dos inquiridos, caracterizando o concelho de residência, e outra mais distal caracterizando o espaço nacional. Os dados apresentam valores de percepção dos riscos genericamente baixos, sendo que esta tendência é mais clara ao nível das percepções proximais, existindo contrastes regionais. Contrariamente à tese da familiaridade, os resultados mostram o papel crucial da diferenciação territorial e da escala nos riscos percepcionados. A avaliação do grau de confiança institucional em caso de desastre mostrou um elevado nível de confiança nas instituições e organismos relacionados com a emergência e socorro, assim como uma apreciação geral positiva sobre as fontes de comunicação de risco. Ressalta a capacidade adaptativa dos cidadãos para práticas mais resilientes e a referenciais superiores de segurança
Publicado em: In: Revista Crítica de Ciências Sociais. - Coimbra : C.E.S., 1978- . - N.º 93 (Jun. 2011), p. 167-193
Assuntos: Desastre natural | Vulnerabilidade social | Portugal
Veja também: Tavares, Alexandre Oliveira | Mendes, José Manuel | Basto, Eduardo
Localização: PP.3 (CEJ)

O meu comentário Facebook Twitter LinkedIN
Título: Nuclearidade, trabalho dos corpos e justiça : a requalificação ambiental das minas da Urgeiriça e os protestos locais
Autor(es): José Manuel Mendes e Pedro Araújo
Notas: Bibliografia pág. 100-104
Resumo: Este artigo analisa o longo ciclo da nuclearidade em Portugal, a partir do processo de encerramento das minas da Urgeiriça e da sua subsequente requalificação ambiental. O artigo aborda a acção dos ex-trabalhadores para se reivindicarem como contaminados, igualando o território nessa qualidade e procurando igual direito à reparação, e mostra como a presença e a dor das vítimas não adquirem a grandeza suficiente para alterar os enquadramentos técnico-políticos e administrativos. Conclui-se que o Estado consegue o fechamento parcial da controvérsia e a assunção da normalidade na governação do território a partir de dispositivos de normalização técnica e científica em torno da nuclearidade.
Publicado em: In: Sociologia. - Lisboa : Relógio d'Água Editores, 1986- . - N.º 64 (Set. - Dez. 2010), p. 81-105
Assuntos: Acção popular | Estado | Protecção do ambiente
Veja também: Mendes, José Manuel | Araújo, Pedro
Outros recursos:
Localização: PP.158 (CEJ)

O meu comentário Facebook Twitter LinkedIN
Título: A vulnerabilidade social aos perigos naturais e tecnológicos em Portugal
Autor(es): José Manuel Mendes... [et al.]
Notas: Bibliografia pág. 124-128
Resumo: Neste artigo apresenta-se um novo modelo de análise da vulnerabilidade social aos perigos naturais e tecnológicos. O índice utilizado nesta análise permite a estruturação da avaliação da vulnerabilidade em duas dimensões: as vulnerabilidades das populações e comunidades (criticidade) e a vulnerabilidade territorial (capacidade de suporte), os quais reflectem a exposição ou a vulnerabilidade biofísica, a resiliência social e a capacidade de suporte infraestrutural. Este novo índice de vulnerabilidade social é aplicado ao sistema territorial de Portugal continental, tendo por base a escala municipal e submunicipal, apreendendo a resiliência social dos indivíduos, dos grupos e das comunidades face a acontecimentos extremos. Os resultados obtidos evidenciam o papel crucial da escala na análise dos processos relacionados com a vulnerabilidade social. Propõe-se que a cartografia das áreas e dos grupos mais vulneráveis, bem como a identificação dos factores desencadeantes, podem constituir um contributo relevante para os programas de ordenamento e de planeamento destinados a mitigar os riscos e as vulnerabilidades do território
Publicado em: In: Revista Crítica de Ciências Sociais. - Coimbra : C.E.S., 1978- . - N.º 93 (Jun. 2011), p. 95-128
Assuntos: Desastre natural | Vulnerabilidade social | Portugal
Veja também: Mendes, José Manuel
Localização: PP.3 (CEJ)