Banner
Base bibliográfica geral
Registos: 1 - 3 de um total de 3
O meu comentário Facebook Twitter LinkedIN
Título: Precários em Portugal : entre a fábrica e o "call center"
Autor(es): org. José Nuno Matos, Nuno Domingos, Rahul Kamar
Publicação: Lisboa : Edições 70, 2011
Descrição física: 135 p. ; 17 cm
Colecção: (Livros de bolso. Le monde diplomatique ; 1)
Resumo: Prosseguindo a prática do jornalismo crítico que caracteriza o Le Monde diplomatique, esta colecção apresenta obras de síntese sobre ternas da actualidade social, política e económica, nacional e internacional. Reunindo artigos publicados no jornal e textos inéditos, a colecção procura oferecer ao leitor conhecimentos e reflexões fundamentais para o desenvolvimento de uma perspectiva informada sobre as sociedades contemporâneas. Em 2010, Portugal era o terceiro país da União Europeia com maior índice de precariedade laboral. Cerca de 23,2% dos trabalhadores por conta de outrem estavam ligados à sua entidade patronal por um contrato a termo ou por outro tipo de vínculo precário. Ao longo deste livro focam-se diversos casos que reflectem uma realidade que se impôs progressivamente nas mais diversas esferas laborais, da fábrica ao call center, do trabalho doméstico aos centros comerciais. Mais do que um mero reflexo de uma «batalha entre gerações», apresentamos aqui um conjunto de investigações que procuram interpretar o fenómeno da precariedade no quadro da evolução das relações de trabalho no nosso país
ISBN/ISSN: ISBN 978-972-44-1695-3
Assuntos: Direito do trabalho | Precariedade laboral | Desemprego | Portugal
CDU: 349.2
Veja também: Matos, José Nuno | Domingos, Nuno | Kamar, Rahul
Localização: DAH.610 (CEJ) - 30000029022

Capa

O meu comentário Facebook Twitter LinkedIN
Título: Novos proletários : a precariedade entre a "classe média" em Portugal
Autor(es): org. Nuno Domingos, José Nuno Matos
Publicação: Lisboa : Edições 70, 2012
Descrição física: 153 p. : il. ; 17 cm
Colecção: (Livros de bolso. Le monde diplomatique ; 4)
Resumo: 1 – «Introdução» (Nuno Domingos e José Nuno Matos). 2 – «Dinâmicas de Crescimento nas Profissões Intelectuais e Científicas. Mobilidade para todos ou diferenciação?» (Vasco Ramos). 3 – «Precariedade: modos de usar» (Ricardo Noronha). 4 – «A massificação da precariedade juvenil» (Magda Nico). 5 – «“Profissão: bolseiro”: perspectivas e perplexidades das políticas de ciência em Portugal» (André Pirralha). 6 - «Estatuto da carreira docente do politécnico: como manter a precariedade» (Marta Pinho Alves). 7 – «O meu local de trabalho é um apartamento no Marquês de Pombal» (Ana Bigotte Vieira). 8 – «A proletarização da advocacia» (Pedro Rita). 9 – «Vamos brincar aos jornais» (João Pacheco). 10 – «Jovens jornalistas: entre sonho e desesperança» (Liliana Pacheco). 11 – «Da transformação do trabalho: o caso dos seguros» (Nuno Domingos). 12 – «Negreiros de tempos modernos: sobre a deslocalização interna de serviços de call-center» (José Nuno Matos e Luís Miranda)
ISBN/ISSN: ISBN 978-972-44-1719-6
Assuntos: Direito do trabalho | Precariedade laboral | Classe média | Portugal
CDU: 349.2
Veja também: Domingos, Nuno | Matos, José Nuno
Localização: DAH.622 (CEJ) - 30000029252

Capa

O meu comentário Facebook Twitter LinkedIN
Título: Proletários ou profissionais ? A condição do jornalista durante o Estado Novo
Autor(es): José Nuno Matos
Notas: Bibliografia pág. 43-45
Resumo: A instauração de um regime autoritário em Portugal a partir de 1926 veio impor restrições ao jornalismo então praticado. Com a institucionalização do Estado Novo, em 1934, a atividade tornou-se sujeita não só à censura, como também às orientações do regime. A partir da pesquisa do Boletim do Sindicato Nacional dos Jornalistas e da Gazeta Literária, editada pela Associação dos Jornalistas e Homens de Letras do Porto, o objetivo do estudo reside na análise de uma série de artigos, intervenções e debates em torno da condição do jornalista. Estes, como pretenderemos demonstrar, traduzem a clivagem entre defensores de um escol de jornalistas e os que viam no jornalismo uma atividade eminentemente laboral. - Inclui: I- Introdução. II- O Estado Novo e a formação de um escol de jornalistas. III- O contrato coletivo de trabalho e os dilemas da condição jornalística. IV- Proletários ou artesãos? V- Conclusão
Publicado em: In: Sociologia. - Porto : FLUP. - V. 34 (jul.-dez. 2017), p. 27-45
Assuntos: Jornalismo | Estado Novo | História | Portugal
Veja também: Matos, José Nuno
Localização: PP.246 (CEJ)