Banner
Base bibliográfica geral
Registos: 1 - 8 de um total de 8
O meu comentário Facebook Twitter LinkedIN
Título: A unicidade do sistema da União Europeia de tutela de denominações de origem e indicações geográficas : reflexos no Direito Português
Autor(es): Alberto Ribeiro de Almeida
Resumo: 1. Denominações de origem e indicações geográficas enquanto direitos subjectivos de propriedade industrial. 2. O sistema da União Europeia de tutela das denominações de origem e indicações geográficas. 3. A natureza exaustiva do sistema da União Europeia. 4. A posição do Tribunal de Justiça da União Europeia. A problemática da tutela das indicações de proveniência geográficas não qualificadas. O recente caso «Port Charlotte». 5. Reflexos no ordenamento jurídico português - a unicidade do regime (breves referências)
Publicado em: In: Revista de direito intelectual. - Coimbra : Almedina. - N.º 2 (2015), p. 111-149
Assuntos: Direito intelectual | Denominação de origem | Títulos nacionais
Veja também: Almeida, Alberto Ribeiro de
Localização: PP.293 (CEJ)

O meu comentário Facebook Twitter LinkedIN
Título: A denominação de origem anterior e o impedimento de registo de marca da União Europeia (comentário ao acórdão Tribunal de Justiça, de 14 de setembro de 2017-caso «Porto/Port Charlotte)
Autor(es): Maria Miguel Carvalho
Resumo: A decisão judicial em análise suscita a delicada questão da compatibilização de dois sinais distintivos - a marca e a denominação de origem - e, em particular, a possibilidade de ser, ou não, registada uma marca da UE que tenha por objeto um sinal, parcialmente, coincidente com uma denominação de origem protegida. Atendendo ainda a que o produto para o qual o registo como marca é solicitado não é idêntico, nem semelhante ao produto para o qual a denominação de origem em apreço está protegida, coloca-se, em certa medida, também a questão do alcance da tutela conferida às denominações de origem de prestígio. Depois de analisar a regulamentação jurídica aplicável, sustenta-se que o alcance da tutela ultramerceológica das denominações de origem de prestígio deve ser limitado pela exigência de prova da verificação dos respetivos requisitos, na linha do que sucede no âmbito da proteção das marcas de prestígio
Publicado em: In: Revista de direito intelectual. - Coimbra : Almedina. - N.º 2 (2017), p. 247-263
Assuntos: Direitos de autor | Impedimento de registo de marca | Marca da União Europeia | Denominação de origem
Veja também: Carvalho, Maria Miguel
Localização: PP.293 (CEJ)

O meu comentário Facebook Twitter LinkedIN
Título: Acórdão "Port Charlotte" : "Hard cases make bad law" : comentário ao acórdão do Tribunal de Justiça de 14.09.2017, no Proc. C-56/16 P
Autor(es): Pedro Sousa e Silva
Resumo: Anotação ao acórdão do Tribunal de Justiça de 14.09.2017, no Proc. C-56/16 P, julgando improcedente uma acção de declaração de nulidade da marca comunitária "PORT CHARLOTTE" para whisky. Na base desta decisão está o entendimento de que o regime de proteção previsto pelo Regulamento na 1234/2007 ("OCM única") tem caráter exclusivo e exaustivo, pelo que essa tutela não é suscetível de ser completada pelo direito nacional que conceda uma proteção adicional. O Tribunal considerou ainda que, no caso concreto, não se provou que a inclusão da palavra "port" na referida marca de whisky explorasse a reputação da denominação de origem "Port" ou constituísse uma evocação desta. A anotação analisa criticamente esta decisão e as suas implicações, nomeadamente as repercussões na disciplina nacional das denominações de origem vitivinícolas. O autor conclui que o facto de a tutela destes sinais passar a reger-se exclusivamente pelas normas europeias não afectará substancialmente a protecção de que vinham usufruindo, tendo em conta a abrangência desse regime, que cobre as diversas situações em que se regista um uso indevido desses sinais, incluindo os casos de exploração da respectiva reputação
Publicado em: In: Revista de direito intelectual. - Coimbra : Almedina. - N.º 2 (2017), p. 265-279
Assuntos: Propriedade industrial | Vinho | Denominação de origem | Marcas | Carácter exclusivo da regulamentação europeia
Veja também: Silva, Pedro Sousa e
Localização: PP.293 (CEJ)

O meu comentário Facebook Twitter LinkedIN
Título: As marcas de vinhos e os conflitos com denominações de origem (DO)e indicações geográficas (IG) vitivinícolas
Autor(es): Patrícia Pais Leite
Notas: Bibliografia pág. 157-158
Resumo: Este artigo incide sobre os direitos de propriedade industrial destinados a produtos vitivinícolas que consubstanciam o património imaterial deste sector económico: marcas de vinhos, por um lado, e denominações de origem (DO) e indicações geográficas (IG), por outro. Porque se trata de uma temática com relevância em duas áreas de conhecimento jurídico - a propriedade industrial e o direito vitivinícola - importa fazer uma abordagem das DO e IG e das marcas de vinhos sob as duas perspectivas normativas, com vista à sua integração e articulação. Em primeiro lugar, analisamos as marcas de vinhos no direito vitivinícola europeu e nacional enquanto indicação da rotulagem, seguindo-se um estudo das particularidades do registo das marcas destinadas a produtos vitivinícolas, bem como dos obstáculos e limitações ao registo e uso das marcas com termos vitivinícolas , como nomes de explorações vitícolas, topónimos ou sub-regiões vitícolas, menções tradicionais e nomes de castas
Publicado em: In: Revista de direito intelectual. - Coimbra : Almedina. - N.º 1 (2018), p. 97-158
Assuntos: Propriedade industrial | Marcas de vinho | Denominação de origem | Indicação geográfica vitivinícola
Veja também: Leite, Patrícia Pais
Localização: PP.293 (CEJ)

O meu comentário Facebook Twitter LinkedIN
Título: Direito industrial : noções fundamentais
Autor(es): Pedro Sousa e Silva
Edição: 1. ed
Publicação: Coimbra : Coimbra Editora, 2011
Descrição física: 492 p. ; 24 cm
Notas: Bibliografia pág. 471-481
Resumo: I- Introdução. PARTE I: Tutela da inovação. II- Patentes de invenção. III- Modelos de utilidade. IV- Desenhos ou modelos. PARTE II: Sinais distintivos. V- Marcas. VI- Logótipos. VII- Firmas. VIII- Denominações de origem e indicações geográficas. IX- Outros sinais distintivos. PARTE III: Aspectos comuns. X- A concorrência desleal. XI- Direito da União Europeia e propriedade industrial. XII- Negócios sobre DPI. XIII- A fiscalidade relativa à propriedade industrial. XIV- A tutela efectiva da propriedade industrial
ISBN/ISSN: ISBN 978-972-32-1997-5
Assuntos: Direito industrial | Propriedade intelectual | Direito de autor | Patente de invenção | Registo de marcas | Sociedade comercial | Denominação de origem | Direito comunitário
CDU: 347.78
Veja também: Silva, Pedro Sousa e
Localização: DAO.77 (CEJ) - 30000032074

Capa

O meu comentário Facebook Twitter LinkedIN
Título: Proteção do bordado de Arraiolos e a sua apropriação por empresas de moda
Autor(es): Patrícia Rento
Notas: Bibliografia p. 115-116
Resumo: Tapetes de Arraiolos chineses vendidos por preços irrisórios levaram a uma investigação que identificou vários riscos a que a designação "Tapete de Arraiolos" está exposta e urge mitigar, sob pena de vermos fugir um dos nossos maiores ativos identitários. Vicissitudes levaram a que só em 2016 fosse aprovada legislação com vista à promoção desta técnica secular. No entanto, continuam a multiplicar-se por todo o mundo apropriações. O presente texto debate como corrigir juridicamente a falta de proteção atual, salvaguardando interesses nacionais - culturais, intelectuais e económicos - perante interesses comerciais de terceiros, que incluem os de grandes casas mundiais de moda
Publicado em: In: Direito da moda / coord. Lígia Carvalho Abreu, Francisco Pereira Coutinho. - Lisboa : Universidade Nova de Lisboa. CEDIS, 2019. - Vol. I. - p. 103-116
Assuntos: Moda | Marca | Apropriação indevida | Denominação de origem | Tapete de Arraiolos | Propriedade industrial
Veja também: Rento, Patrícia
Localização: DAO.81 (CEJ)

O meu comentário Facebook Twitter LinkedIN
Título: O destino dos direitos (marcas, desenhos e modelos, denominações de origem e variedades vegetais) concedidos antes do Brexit
Autor(es): Jean-Christophe Galloux
Resumo: I- O princípio da continuidade. II- A aplicação de soluções de direito transitório
Publicado em: In: Propriedades intelectuais. - Lisboa : Universidade Católica. - N.º 8 (novembro 2017), p. 7-11
Assuntos: Marcas e patentes | Denominação de origem | Indicação geográfica protegida | Propriedade industrial | Regulamento comunitário | Direito transitório | Brexit | Reino Unido | União Europeia
Veja também: Galloux, Jean-Christophe
Localização: PP.302 (CEJ)

O meu comentário Facebook Twitter LinkedIN
Título: As denominações geográficas na recente jurisprudência do Tribunal de Justiça da União Europeia
Autor(es): coment. Alberto Ribeiro de Almeida
Resumo: 1- Introdução. 2- Acórdão do Tribunal de Justiça de 6 de dezembro de 2018, C-629/17, adegaborba.pt, ou o regresso ao problema das marcas compostas por nomes geográficos. 3- Acórdão do Tribunal de Justiça de 14 de setembro de 2017, C-56/16 P, Port Charlotte. 4- Acórdão do Tribunal de Justiça, de 20 de dezembro de 2017, C-393/16, Champagner Sorbet, ou o Champagne como ingrediente. 5- Conclusão
Publicado em: In: Revista de direito intelectual. - Coimbra : Almedina. - N.º 1 (2019), p. 221-260
Assuntos: Marca comercial | Denominação de origem | Indicação geográfica | Propriedade industrial | Jurisprudência comunitária
Veja também: Almeida, Alberto Ribeiro de
Localização: PP.293 (CEJ)