100   ^a20200723d2020    k  y0porb0103    ba
101 0 ^apor
102   ^aPT
200 1 ^aSobre a protecção penal da saúde pública em tempos de pandemia^eisto já não é o que nunca foi^fSusana Aires de Sousa
330   ^aUma análise da legislação penal revela que a saúde pública constitui hoje um valor jurídico estranho ou residual no ordenamento jurídico português. Este estudo apresenta um conjunto de argumentos favoráveis ao reconhecimento da saúde pública como um interesse com dignidade penal, susceptível de aceder à categoria de bem jurídico e merecedor, em alguma das suas dimensões, de protecção penal. Exemplo concreto de uma ofensividade deste tipo são as situações da propagação de um vírus altamente contagioso em situações de epidemia ou pandémicas. Não foi esta a opção do Governo ao criminalizar a violação do confinamento obrigatório à luz da autonomia intencional do Estado, sob a forma de um crime de desobediência. Argumenta-se, neste estudo, que uma tal opção retira legitimidade à incriminação e relega para um plano secundário o bem jurídico merecedor de protecção, capaz de orientar criticamente a configuração da norma incriminadora: a saúde pública
461  1^tRevista do Ministério Público^cLisboa^bSindicato dos Magistrados do Ministério Público^vA. 41, n.º especial COVID-19 (junho 2020)^pp. 129-163
606   ^aSaúde pública
606   ^aDireito penal
700  1^aSousa,^bSusana Aires de
920 n
921 a
922 a
923  
924  
925  
931 20200723
932 d
933 2020
934     
935 k  
936 y
937 0
938 ba