100   ^a20200615d2020    k  y0porb0103    ba
101 0 ^apor
102   ^aPT
200 1 ^aO movimento feminista e de mulheres na Argentina^eperspectivas pós-colonial e socialista^fDanilla Aguiar, Gonzalo Rojas
320   ^aBibliografia p. 186-188
330   ^aAs teorias pós-coloniais questionam os instrumentos de poder e representação dos sujeitos subalternos, bem como o pensamento ocidental hegemônico, desvendando suas faces políticas e ideológicas que determinavam modos específicos de opressão aos grupos subalternos. Historicamente, a opressão pelo gênero delega às mulheres a condição de subproletariado, exemplo limite de subalternização a quem é negado espaços sociais e até o direito de decidir sobre o próprio corpo. Apresentamos neste artigo as contribuições do movimento argentino de mulheres em dois momentos da democracia no país: as Mães da Praça de Maio e o atual movimento de mulheres. Em nossa hipótese, as mulheres apresentam-se como protagonistas dos conflitos sociais e representam uma importante frente de luta que, a exemplo do caso argentino, abre a possibilidade de radicalização da democracia com aspirações continentais e mundiais
461  1^tRevista Crítica de Ciências Sociais^cCoimbra^bC.E.S.^vN.º 121 (maio 2020)^pp. 169-190
606   ^aAutonomia
606   ^aDiscriminação sexual
606   ^aLuta política
606   ^aMovimentos sociais
606   ^aPós-colonialismo
607   ^aArgentina
700  1^aAguiar,^bDanilla
701  1^aRojas,^bGonzalo^4070
920 n
921 a
922 a
923  
924  
925  
931 20200615
932 d
933 2020
934     
935 k  
936 y
937 0
938 ba