001 CEJ20190520110429
100   ^a20190520d2018    k  y0porb0103    ba
101 0 ^apor
102   ^aPT
200 1 ^aAlgumas considerações sobre a admissibilidade probatória dos ilícitos disciplinares de trabalhadores detetados através de sistemas de videovigilância^eanotação ao acórdão do Tribunal da Relação do Porto, de 7 de dezembro de 2018^fTeresa Coelho Moreira
330   ^aA videovigilância e a geolocalização por parte do empregador com a finalidade de controlar o desempenho profissional dos trabalhadores, que implicam um tratamento de dados pessoais, não podem ser consideradas legítimas. Por outro lado, a autora defende que, quando através das gravações obtidas se visualizar a prática de ilícitos penais de relevo, que consubstanciem simultaneamente infrações disciplinares graves, podem utilizar-se as imagens obtidas para fins disciplinares 
461  1^tQuestões laborais^cCoimbra^bAlmedina^vA. 24, n.º 53 (jul.-dez. 2018)^pp. 163-184
606   ^aVideovigilância no local de trabalho
606   ^aInfracção disciplinar
606   ^aDados pessoais
606   ^aPrivacidade
606   ^aJurisprudência
606   ^aDireito do trabalho
700  1^aMoreira,^bTeresa Coelho
920 n
921 a
922 a
923  
924  
925  
931 20190520
932 d
933 2018
934     
935 k  
936 y
937 0
938 ba