100   ^a20181128d2018    k  y0porb0103    ba
101 0 ^apor
102   ^aPT
200 1 ^aVoto de vencido : causas e aversão^euma análise dos votos de vencido no Tribunal Constitucional português^fAntónio Lopo Martinez
330   ^aO presente estudo é um contributo para a literatura crescente da sociologia jurídica que procura explicar comportamentos judiciais por meio da discussão de modelos teóricos e empíricos que identificam como o juiz pensa e em particular por que decide votar vencido. A questão focal apreciada é o porquê e quando os juízes apresentam votos de vencido. Apresentam-se argumentos para uma análise abstrata das razões da dissidência judicial contra os seus custos para a autoridade judicante e a eficiência dos tribunais.  Adicionalmente, a pesquisa teve um foco empírico na qual constatou-se uma diminuta frequência de dissidência judicial no Tribunal Constitucional português. No período de janeiro de 2010 a abril de 2017, menos de 5% dos acórdãos não são decididos por unanimidade. Os votos de vencido em relação à quantidade de votos totais têm caído numa relação aparentemente proporcional com a carga de trabalho ao longo dos anos recentes. Quando os votos são por maioria, a taxa de votos de vencido em termos médios gira em torno de 30% dos votos totais, demonstrando aí também uma tendência a pequena divergência e ao restrito interesse em apresentar o voto de vencido em termos médios
461  1^tScientia iuridica^cBraga^bL.C.^vTomo 67, n.º 347 (maio-ago. 2018)^pp. 223-248
606   ^aVoto de vencido
606   ^aDecisão judicial
606   ^aTribunal Constitucional
606   ^aSociologia jurídica
700  1^aMartinez,^bAntónio Lopo
920 n
921 a
922 a
923  
924  
925  
931 20181128
932 d
933 2018
934     
935 k  
936 y
937 0
938 ba