100   ^a20170725d2016    k  y0porb0103    ba
101 0 ^apor
102   ^aPT
200 1 ^aAs forças de tipo gendarmerie e as missões/ operações de gestão de crises da UE^fRicardo Filipe da Silva Cortinhas
320   ^aBibliografia pág. 245-248
330   ^aNos últimos anos, a componente de segurança e defesa da União Europeia (UE) passou a ser sinónimo de gestão de crises, sendo que a União tem abordado a questão da gestão de crises através de duas vertentes: a vertente militar e a vertente civil, que se consubstancia na realização de inúmeras operações e missões de gestão de crises. O presente artigo aborda o papel da UE na condução de operações e missões de gestão de crises e de que forma as forças de gendarmerie contribuem para o sucesso das mesmas. Começa por analisar o conceito de gestão de crises e demonstrar as mais-valias do empenhamento de forças de gendarmerie em operações e missões de gestão de crises, analisando em seguida as diferentes operações e missões desenvolvidas neste âmbito
461  1^tRevista de direito e segurança^cLisboa^bInstituto de Direito Público^x2182-8687^vA. 4, n.º 8 (jul.-dez. 2016)^pp. 205-248
606   ^aGestão de crises
606   ^aSegurança Europeia
606   ^aUnião Europeia
700  1^aCortinhas,^bRicardo Filipe da Silva
920 n
921 a
922 a
923  
924  
925  
931 20170725
932 d
933 2016
934     
935 k  
936 y
937 0
938 ba