100   ^a20170725d2016    k  y0porb0103    ba
101 0 ^apor
102   ^aPT
200 1 ^aAs ameaças ao ciberespaço e a estratégia de cibersegurança na UE e em Portugal^fMaria Luís Barbosa
320   ^aBibliografia pág. 185-187
330   ^aAté há umas décadas a preocupação dos Estados focava-se no perigo das ameaças externas vindas de outros Estados e a sua estratégia de defesa tinha como objetivo proteger o seu território nacional. Porém, com a existência das redes de comunicação e do ciberespaço, a questão da segurança adota hoje em dia outros termos e dimensões que vão para lá do espaço físico e imediato. Bens e serviços encontram-se agora disponíveis na rede e dependem desta para funcionar. A internet serve agora vários propósitos, possibilitando a troca instantânea de informação, a regulação de mercados, pagamentos e prestação de serviços, passando pelo fornecimento de bens essenciais, até à própria governação dos Estados. A vulnerabilidade de tais sistemas face a ataques cibernéticos e as repercussões que teriam na sociedade reforçam a importância da defesa e segurança do ciberespaço e das redes de comunicação. Sendo uma das grandes preocupações dos Estados, a cibersegurança passará tanto pela projeção de estratégias que protejam não só os utilizadores mas também o espaço virtual e físico do ciberespaço, assim como todas as infraestruturas e serviços que dele dependam
461  1^tRevista de direito e segurança^cLisboa^bInstituto de Direito Público^x2182-8687^vA. 4, n.º 8 (jul.-dez. 2016)^pp. 161-187
606   ^aCibercrime
606   ^aCiberespaço
606   ^aCibersegurança
606   ^aUnião Europeia
607   ^aPortugal
700  1^aBarbosa,^bMaria Luís
920 n
921 a
922 a
923  
924  
925  
931 20170725
932 d
933 2016
934     
935 k  
936 y
937 0
938 ba