100   ^a20170427d2016    k  y0porb0103    ba
101 0 ^apor
102   ^aPT
200 1 ^aTribunal da Relação do Porto^eAcórdão do TRP de 13.07.2016, p. n.º 285/13.2TTOAZ.P1^fJoão Rato
330   ^aI – No âmbito de impugnação de decisão sobre a matéria de facto, o depoimento de perito averiguador, que não presenciou o acidente de trabalho, só por si, não tem a necessária força probatória para sustentar, em sede de recurso, a alteração da matéria de facto decidida na 1.ª instância, com base noutros meios de prova. II – Nas obras em telhados, o uso do cinto de segurança só é obrigatório se verificadas determinadas circunstâncias – como acentuada inclinação do telhado, mau estado da estrutura, piso escorregadio, fragilidade do material de cobertura e existência de ventos fortes – e não forem praticáveis as soluções previstas no corpo do artigo 44.º do Decreto n.º 41821/58, de 11.08. III – Nas pequenas reparações em telhados, como a substituição de telha partida, o Regulamento de Segurança no Trabalho da Construção Civil não afasta o uso de escada de madeira na posição de deitada, assente nas traves que suportam as placas do telhado, como plataforma de trabalho. IV – Cabe ao responsável pela reparação de acidente de trabalho alegar e provar, em sede de julgamento, as circunstâncias referidas no ponto II, bem como as características da escada de madeira referida no ponto III, nos
termos do artigo 342.º, n.º 2, do Código Civil, com vista à pretendida descaracterização do acidente
461  1^tProntuário de direito do trabalho^c[Lisboa]^bCentro de Estudos Judiciários^vN.º 2 (2016)^pp. 47-50
606   ^aDireito do trabalho
606   ^aAcidente de trabalho
606   ^aTrabalhador independente
606   ^aAlteração da matéria de facto
606   ^aRegras de segurança na construção civil
606   ^aDescaracterização do acidente
606   ^aJurisprudência
700  1^aRato,^bJoão
920 n
921 a
922 a
923  
924  
925  
931 20160427
932 d
933 2016
934     
935 k  
936 y
937 0
938 ba