100   ^a20160601d2015    k  y0porb0103    ba
101 0 ^apor
102   ^aPT
200 1 ^a<O >estatuto da Procuradoria Europeia e os estatutos dos Ministérios Públicos dos Estados-Membros da União Europeia^estandards mínimos de (máxima) independência, (máxima) imparcialidade e (máxima) integridade^eesperança, ansiedade e pânico na instituição da Procuradoria Europeia^ecrónica de uma metamorfose anunciada^fJosé P. Ribeiro de Albuquerque
210   ^aLisboa^cSindicato dos Magistrados do Ministério Público^d2015
215   ^ap. 9-118 ;^d22 cm
305   ^aSeparata da Revista do Ministério Público, A. 36, n.º 144 (out.-dez. 2015)
320   ^aBibliografia pág. 115-118
330   ^aO actual debate sobre a instituição da Procuradoria Europeia (EPPO) para combater as infracções lesivas dos interesses financeiros da União Europeia (UE) é não só um desenvolvimento sem precedentes no Espaço de Liberdade, Segurança e Justiça, mas também uma oportunidade para reforçar a independência do poder judicial na Europa e para transformar a organização judiciária dos Estados-Membros da UE num conjunto de instituições verdadeiramente soberanas, dotadas de governo próprio e de efectiva autonomia
606   ^aProcurador Europeu
606   ^aDireito comunitário
606   ^aOrganização judiciária
606   ^aIndependência da magistratura
675   ^a341.178^vBN^zpor
700  1^aAlbuquerque,^bJosé P. Ribeiro de 
920 n
921 a
922 m
923  
924  
925  
931 20160601
932 d
933 2015
934     
935 k  
936 y
937 0
938 ba