100   ^a20160212d2014    k  y0porb0103    ba
101 0 ^apor
102   ^aPT
200 1 ^a<O >ato médico é uma empreitada?^fJoão Carlos Gralheiro
320   ^aBibliografia pág. 886-893
330   ^aDedicatória/Agradecimentos. Sumário. Palavras-chave. Introdução. A) Nota introdutória. B) Apresentação do tema e objetivos a atingir. C) Metodologia usada. Capítulo Primeiro. 1.1. Do concreto: os factos. 1.2. … ao abstrato: os conceitos. 1.3. A Medicina: Da “Arte Silenciosa” ao mundo do Direito. 1.4. Densificação do conceito de Saúde. 1.5. O “Ato Médico”. 1.6. Do “efeito adverso” ao “erro Médico”. Capítulo Segundo. 2.1. Natureza da relação jurídica estabelecida entre o Médico e o Cliente. 2.2. Natureza e âmbito das obrigações assumidas pelo Médico. 2.3. A questão da responsabilidade civil médica. Capítulo Terceiro. 3.1. O Ato Médico e o contrato de prestação de serviço. 3.2. O Ato Médico e o contrato de Empreitada. Capítulo Quarto. 4.1. O aggiornamento dialético. 4.1.1. A tese. 4.1.2. A antítese. 4.1.3. A subsunção dos factos ao(s) Direito(s). Capítulo Quinto. 5.1. Da síntese a caminho das conclusões. 5.1.1. A Síntese. 5.1.2. Conclusão. Notas de Fim
461  1^tRevista da Ordem dos Advogados^cLisboa^bO.A.^x0870-8118^vA. 74, n.º 3 e 4 (jul. - dez. 2014)^pp. 795-893
606   ^aMedicina
606   ^aResponsabilidade civil do médico
606   ^aContrato de prestação de serviços
606   ^aContrato de empreitada
606   ^aIncumprimento do contrato
700  1^aGralheiro,^bJoão Carlos
920 n
921 a
922 a
923  
924  
925  
931 20160212
932 a
933 2014
934     
935 k  
936 y
937 0
938 ba