100   ^a20150206d2013    k  y0porb0103    ba
101 0 ^apor
102   ^aPT
200 1 ^aUma identidade para o direito^fClacir José Bernardi, Heitor Romero Marques
330   ^aOs caminhos da sociedade seguem os mais diferentes rumos. As mudanças são constantes, transformadoras, algumas leves outras profundas e vão construindo e desconstruindo as identidades. É difícil perceber valores que identificam uma nacionalidade; o que temos são pequenas identidades que formam redes interligadas originando um espírito nacional e até internacional. Quando se fala em direito, pensa-se em sistema jurídico legal, no dizer kelseniano, e isso cria uniformização, na qual todos os fatos jurídicos são formatados nos limites dos diplomas legais em honra de uma suposta segurança jurídica. Mas a sociedade deve ser vista, no dizer de Deleuze e Guattari, como um rizoma onde o local se entrelaça e se junta a outros locais formando o geral e ai está o ponto fundamental a ser percebido pelo Direito. O pós-positivismo, que se estrutura depois da segunda grande, guerra reivindica essa reflexão em que os fatos são vistos neles mesmos dentro de sua representação local com valores com suas formas específicas e ai está o caminho do que se chama justiça
461  1^tMeritum^cBelo Horizonte^bUniversidade FUMEC^d2010^x1980-2072^vV. 8, n.º 2 (jul. - dez. 2013)^pp. 115-144
606   ^aDireito
606   ^aPositivismo
606   ^aIdentidade social
700  1^aBernardi,^bClacir José
701  1^aMarques,^bHeitor Romero^4070
920 n
921 a
922 a
923  
924  
925  
931 20150206
932 a
933 2013
934 9999
935 k  
936 y
937 0
938 ba
966   ^lCEJ^sPP.275^120120925