100   ^a20140917d2013    k  y0porb0103    ba
101 0 ^apor
102   ^aPT
200 1 ^a<A >investigação criminal na dark web^fDavid Silva Ramalho
320   ^aBibliografia pág. 423-429
330   ^aIntrodução. I - A Deep Web e a Dark Web. 1. A Deep Web e a Surface Web. 2. A navegação na Deep Web. 2.1. Feenet. 2.2. The Onion Router (Tor). 3. A incursão da cibercriminalidade na Deep Web: a Dark Web e as Darknets. 4. As bitcoins. II - A recolha de prova na Dark Web. 1. A obtenção de dados informáticos armazenados num sistema informático. 1.1. A revelação expedita de dados de tráfego. 1.2. A injunção para apresentação ou concessão do acesso a dados. 1.3. A apreensão de dados informáticos. 1.3.1. O acesso a dados informáticos publicamente acessíveis. 2. A interceção de comunicações. 3. As ações encobertas em ambiente digital. III - Novos contributos da Ciência Forense Digital e seu enquadramento processual penal. 1. A identificação do suspeito na Dark Web. 1.1. Análise textual do suspeito na Dark Web. 1.2. Os ataques de fingerprinting. 1.3. O recurso a malware e a hyperlink sting operations. 2. Análise de dados informáticos apreendidos na Dark Web. 2.1. O uso de metadata. 2.2. PhotoDNA. Conclusões
461  1^tRevista de concorrência e regulação^cCoimbra^bAlmedina^x1647-5801^vA. 4, n.º 14-15 (abr.-set. 2013)^pp. 383-429
606   ^aInvestigação criminal
606   ^aCriminalidade informática
606   ^aCibercrime
700  1^aRamalho,^bDavid Silva
920 n
921 a
922 a
923  
924  
925  
931 20140917
932 a
933 2013
934     
935 k  
936 y
937 0
938 ba