100   ^a20140617d2014    k  y0porb0103    ba
101 0 ^apor
102   ^aPT
200 1 ^aPrecariado e sindicalismo no Brasil contemporâneo^e<um >olhar a partir da indústria do call center^fRuy Braga
320   ^aBibliografia pág. 49-51
330   ^aA eleição presidencial de Luiz Inácio Lula da Silva, em 2002, reconfigurou a relação entre o movimento sindical e o Estado no Brasil. Apoiando­‑se em um ciclo de crescimento econômico, em políticas públicas redistributivas e no controle dos movimentos sociais do país, em especial do sindicalismo, o governo de Lula da Silva conquistou inéditos índices de aprovação popular. No entanto, desde 2008, o número de greves tem aumentado de forma acelerada, alcançando um recorde histórico em 2012. Como compreender que sindicalistas alinhados ao governo liderem um vigoroso ciclo grevista que direta ou indiretamente contraria os interesses do próprio governo? Por meio de um estudo de caso da indústria do call center, setor que mais criou postos formais de trabalho nos anos 2000, pretendemos analisar a relação entre a automobilização dos trabalhadores, a ação dos sindicatos e as políticas públicas federais, que vertebra o atual ciclo grevista brasileiro
461  1^tRevista Crítica de Ciências Sociais^cCoimbra^bC.E.S.^vN.º 98 (maio 2014)^pp. 25-51
606   ^aGreve
606   ^aSindicalismo
606   ^aPrecariedade laboral
607   ^aBrasil
700  1^aBraga,^bRuy
920 n
921 a
922 a
923  
924  
925  
931 20140617
932 d
933 2014
934     
935 k  
936 y
937 0
938 ba