100   ^a20131107d2012    k  y0porb0103    ba
101 0 ^apor
102   ^aPT
200 1 ^aConsiderações sobre a responsabilidade civil da administração fiscal^fJosé Casalta Nabais
330   ^aNeste estudo é analisada a aplicação do novo regime da responsabilidade civil extracontratual das entidades públicas, que entrou em vigor em 2008, à Administração Fiscal. Partindo da distinção entre relação constitucional fiscal, relação administrativa fiscal e relação obrigacional fiscal, bem como da ideia de que o direito fiscal é, fundamentalmente, um ramo especial do direito administrativo, o Autor conclui que se aplica integralmente o referido regime à responsabilidade civil pelo exercício da função legislativa e pelo exercício da função judicial no domínio do direito dos impostos. Por conseguinte, as especificidades que possa haver respeitam ao exercício da função administrativa, ou seja, situam-se na relação administrativa fiscal. O que tem expressão, no plano substantivo, em a indemnização se limitar, por via de regra, ao pagamento dos correspondentes juros indemnizatórios ou juros de mora conjuntamente com a devolução do imposto ilegalmente liquidado, e, no plano processual, por a responsabilidade ser efetivada nos tribunais tributários no próprio processo de impugnação judicial. Só assim não será relativamente a danos que decoram de atos que não se reportem à liquidação de impostos, situações em que pode discutir-se se o processo a seguir deve ser o processo administrativo ou o processo tributário
461  1^tScientia iuridica^cBraga^bL.C.^vTomo 61, n.º 329 (maio-agos. 2012)^pp. 325-356
606   ^aResponsabilidade das entidades públicas
606   ^aJuros de mora
606   ^aJuros indemnizatórios
700  1^aNabais,^bJosé Casalta
920 n
921 a
922 a
923  
924  
925  
931 20131107
932 a
933 2012
934 
935 k  
936 y
937 0
938 ba