100   ^a20120717d2011    k  y0porb0103    ba
101 0 ^apor
102   ^aPT
200 1 ^a<Uma >mercadoria indígena e seus paradoxos^ea folha de coca em tempos de globalização^fSilvia Rivera Cusicanqui
330   ^aO processo de mobilização social iniciado na década de 2000 teve como protagonistas diversos setores do campesinato indígena. Esse processo culminou na eleição do cocaleiro aimará Evo Morales, que se tomou o primeiro presidente indígena da América. Findou-se, assim, um ciclo de mais de vinte anos de pactos parlamentares não transparentes e partilhas do aparelho estatal entre os partidos crioulos da vertente neoliberal e populista. Contudo, os interesses imperialistas, que envolvem corporações farmacêuticas e de multinacionais, conseguiram montar aparato de repressão contra a folha de coca, sob o argumento abstrato e hipócrita de defesa da saúde pública dos países consumidores. No outro extremo, os produtores de coca resistem a essa guerra desigual. Os cocaleiros e os distribuidores e consumidores são atores e protagonistas da modernidade indígena boliviana, assentada em mercado interno de longa data como cenário de processos de empoderamento, iniciativa histórico-cultural e descolonização. Como a maioria da população faz parte desse mercado, a resistência não se limita à luta contra a erradicação das zonas produtoras; também é preciso enfrentar os controles e proibições que pesam sobre o mercado e o estigma que se associa ao consumo da folha. O peso dessas disputas delimita cenário de conflito para o atual governo, e é necessário compreendê-las em toda a sua profundidade histórica, o que é o objetivo com este estudo. 
461  1^tMeritum^cBelo Horizonte^bUniversidade FUMEC^d2010^x1980-2072^pp. 311-347^vV. 6, Nº 2 (Jul.-Dez. 2011)
606   ^aDroga
606   ^aDescolonização
606   ^aGlobalização
700  1^aCusicanqui,^bSilvia Rivera
920 n
921 a
922 a
923  
924  
925  
931 20120717
932 d
936 y
937 0
938 ba
966   ^lCEJ^sPP.275^120120717