100   ^a20120508d2012    k  y0porb0103    ba
101 0 ^apor
102   ^aPT
200 1 ^aCrime de colarinho branco e a abordagem do labeling^fTânia Dias, José Cruz
330   ^aO presente artigo pretende verificar se a abordagem do labeling, modelo explicativo construido para gerar conhecimento sobre a criminalidade tradicional, é capaz de fornecer conhecimento válido quando aplicada à análise do crime de colarinho branco. Para alcançar esse objetivo, a abordagem do labeling é reduzida a três premissas testáveis, que são confrontadas com a evidência empirica produzida pela criminologia e disciplinas próximas. Conclui-se que a abordagem do labeling é parcialmente suportada: por um lado, os criminosos de colarinho branco parecem ser menos afetados pela reação do sistema de justiça, ainda que, por outro lado, exista evidência de que são punidos tão ou mais severamente que os criminosos tradicionais. Não obstante as conclusões, é fundamental continuar a produzir contraprova na área, propugnando-se por estudos informados metodologicamente e conceptualmente, de forma a obter-se dados empiricos mais consistentes.
461  1^tOusar integrar^cLisboa^bDirecção-Geral de Reinserção Social^d2008^x1647-0109^pp. 53-64^vA. 5, Nº 11 (Jan. 2012)
606   ^aReinserção social
606   ^aCrime de colarinho branco
606   ^aReincidência
700  1^aDias,^bTânia
701  1^aCruz,^bJosé^4070
920 n
921 a
922 a
923  
924  
925  
931 20120508
932 d
936 y
937 0
938 ba
966   ^lCEJ^sPP.247^120120508