100   ^a20100707d2010    k  y0porb0103    ba
101 0 ^apor
102   ^aPT
200 1 ^aPropriedade industrial e concorrência^e<uma >leitura económica da sua inevitável complementaridade^fJaime Andrez
330   ^aIntrodução. 1. Conceitos envolvidos. 1.1. A dinâmica da inovação. 1.2. Concorrência. 1.3. Propriedade intelectual. 2. interface entre LdC e os DdPI. 2.1. Justificação económica da PI. 22. Diferentes noções de monopólio que importa consensualizar. 2.3. Duração e âmbito. Garantia da inovação na patente. 3. Potenciais conflitos concorrenciais da PI. 3.1. Recusa de licença (Venda). 3.2. Práticas unilaterais de licença. a) Vendas (licenças) subordinadas. b) Obrigação de concessão inversa da licença. c) Outros casos de práticas unilaterais. 3.3. Acordos entre empresas ou práticas concertadas de licenças de DdPI. 4. A complementaridade das políticas. 4.1. Aabordagem meso-analítica da complementaridade. 4.2. uma abordagem "mais económica" da complementaridade. 4.3. Movimento para regular contratualmente o licenciamento de patentes. 5. Conclusões: o que fazer? 
461  1^tRevista de concorrência e regulação^cCoimbra^bAlmedina^d2010^x1647-5801^pp. 23-50^vA. 1, Nº 2 (Abr.-Jun. 2010)
606   ^aDireito da concorrência
606   ^aPropriedade industrial
606   ^aPropriedade intelectual
606   ^aPatente
700  1^aAndrez,^bJaime
920 n
921 a
922 a
923  
924  
925  
931 20100707
932 d
936 y
937 0
938 ba
966   ^lCEJ^sPP.270^120100707