100   ^a20090729d2006    k  y0porb0103    ba
101 0 ^apor
102   ^aPT
200 1 ^a<Os >limites da tributação ambiental um estudo empírico do crédito fiscal à defesa e protecção ambiental em Portugal^fCarlos Rocha Ramos Pimenta, Cidália M. Mota Lopes
320   ^aBibliografia pág. 119-123
330   ^a1: INTRODUÇÃO. 2: OS INSTRUMENTOS FISCAIS AMBIENTAIS. 2.1- Os impostos ecológicos. 2.1.1- Objectivos do imposto ecológico. 2.1.2- O processo de formulação do imposto ecológico. 2.2- Os benefícios fiscais ambientais. 2.2.1- O processo de formulação do benefício fiscal ambiental. 2.2.2- As modalidades técnicas dos benefícios fiscais ambientais. 3: AS VANTAGENS E AS DESVANTAGENS DOS INSTRUMENTOS FISCAIS AMBIENTAIS. 3.1- O imposto ecológico: vantagens e desvantagens da sua adopção. 3.1.1- Consequências fiscais. 3.1.2- Consequências sociais. 3.1.3- Consequências económicas. 3.2- Os benefícios fiscais ambientais: potencialidades e limites. 4: ESTUDO EMPÍRICO DO CRÉDITO FISCAL À PROTECÇÃO AMBIENTAL EM PORTUGAL. 4.1- Âmbito e objectivos do estudo. 4.2- Metodologia. 4.3- Resultados obtidos. 4.4- Análise dos resultados. 4.5- Conclusões do estudo empírico. 5: NOTAS CONCLUSIVAS. 6: BIBLIOGRAFIA.
461  1^tFiscalidade^cLisboa^bInstituto Superior de Gestão^d2000-^x0874-7326^vN.º 25 (Janeiro/Março 2006)^pp. 65-123
606   ^aDireito fiscal
606   ^aFiscalidade
606   ^aDireito do ambiente
606   ^aProtecção do ambiente
606   ^aTributação
606   ^aDedução fiscal
607   ^aPortugal
700  1^aPimenta,^bCarlos Rocha Ramos
701  1^aLopes,^bCidália M. Mota^4070
920 n
921 a
922 a
923  
924  
925  
931 20090729
932 a
933 2006
937 0
938 ba
966   ^lCEJ^sPP.258^120090729