100   ^a20090526d2009    k  y0porb0103    ba
101 0 ^apor
102   ^aPT
200 1 ^a<As >virtudes e os defeitos de um juiz^e<um >guia aristotélico para o recrutamento de juízes^fLawrence B. Solum
330   ^aO autor contesta aqueles que, sob argumento que não é o direito — mas sim a moral, a política, a economia, etc. — que determina a decisão nos chamados “casos difíceis”, pretendem que um bom juiz de recurso não teria de ser versado e experiente na prática do direito. Para tanto, defende que estar-se ou não perante um bom juiz depende mais da verificação de certas virtudes especificamente judiciais, adquiridas pela prática do direito, do que da consideração de teorias de decisão deontológicas ou utilitaristas. A caracterização dessas virtudes tem por referência a Teoria das Virtudes de Aristóteles
461  1^tJulgar^cCoimbra^bCoimbra Editora^x1646-6853^vN.º 7 (Jan.-Abr. 2009)^pp. 11-31
606   ^aFilosofia do direito
606   ^aFormação de magistrados
606   ^aJuiz
606   ^aÉtica judicial
606   ^aAdministração da justiça
606   ^aAplicação do direito
700  1^aSolum,^bLawrence B.
920 n
921 a
922 a
923  
924  
925  
931 20090526
932 d
933 2009
934     
935 k  
936 y
937 0
938 ba
966   ^lCEJ^sPP.243^120090526